Urbano Lopes Siqueira

 

Maria Clementina de Siqueira, conhecida como dona Mariquinha deu a luz a Urbano no dia 20 de janeiro de 1888, na cidade de Careaçú, Sul de Minas, seu pai o fazendeiro Francisco Tavares escolheu seu nome como homenagem á um parente que era bispo.
Banico como era chamado carinhosamente pela família, morava na fazenda da sua mãe onde trabalhou muito na lida, até ingressar na Faculdade de Odontologia de Alfenas, onde se formou cirurgião dentista estabelecendo-se como dentista em Jacutinga, seu consultório era na Rua Américo Prado, 776, onde fez uma grande clientela.
Casou-se com a jovem Maria da Conceição Melo que conheceu na cidade de Pouso Alegre, formou família com a professora e tiveram dois filhos, Francisco e Lygia. Apaixonado pelo campo, aonde sempre ia aos domingos, logo se tornou fazendeiro comprou um sítio na Aparecidinha chamado de Pico.
Gostava muito de Jacutinga e fez dela seu objetivo de vida e sua terra natal se tornando cidadão jacutinguence. Foi vereador eleito pelo povo em vários pleitos e quando Jacutinga passou a comarca ficou alguns anos respondendo provisoriamente pelas atribuições do judiciário até a nomeação de um Juiz de Direito para o cargo.
Foi provedor da Santa Casa, sócio fundador do Clube Lítero, da Cooperativa de Leite e do hotel Parque das Primaveras.
Viveu mais de 100 anos sempre com boa saúde, falecendo no dia 30 de junho de 1988.
“Urbano Lopes Siqueira, foi provedor da Santa Casa, sócio fundador do Clube Lítero, da Cooperativa de Leite e do hotel Parque das Primaveras, se formou cirurgião dentista e foi vereador eleito pelo povo em vários pleitos. Viveu mais de 100 anos sempre com boa saúde deixando um legado inestimável para nossa cidade.”
*20-01-1888
+30-06-1988

@webmaster